terça-feira, julho 03, 2007

E que tal...?

DEPOIS de tantos palpites, bocas & bitaites (dados por ministros, deputados, bloguistas, autarcas, jornalistas, geólogos, ambientalistas, CIP e Comerciantes Portuenses), que tal dedicar uns minutos a ouvir quem sabe de aterragens e descolagens de aviões - já que é para isso, fundamentalmente, que é suposto um aeroporto servir?

Aprecie-se o ridículo que é haver claques pró-Ota e anti-Ota (como se estivesse em causa um jogo de futebol e não um investimento de 3,5 mil milhões de euros...), e ouça-se com especial atenção a parte final da intervenção deste homem sem papas na língua.

Declaração de interesses: tendo em conta a minha idade e os previsíveis prazos de execução de uma obra como esta, tanto se me faz que o construam na Ota, como no cocuruto da Serra da Estrela - ou até mesmo como serventia das Berlengas. Além disso, e como já se viu que conseguem fazê-lo sem se rirem, também podem continuar a chamar-lhe Aeroporto de Lisboa.

12 comentários:

Anónimo disse...

Este é cá dos meus, diz o que tem que dizer.
Também não admira é da velha guarda.
Os tais que o GOVERNO/PS considera IDOSOS sem capacidade de pensar.
touaqui42

Bernardo Moura disse...

Este homem disse o que já deveria ter sido dito há muito tempo.

M&S disse...

Eu vi... calou-os a todos!

Bernardo Moura disse...

Pois calou.
Quem sabe, sabe.
Contra factos não há argumentos.

Bia disse...

LOL... sinceramente esse assunto já me fatiga...

Filipa disse...

Não achei simpatico da parte da apresentadora o "nao batam palmas porque tenho que terminar o programa", tem todo o direito de pedir para serem breves ou não baterem mas notou-se uma grande impaciencia na voz e foi rude do meu ponto de vista. Sei que são as pressões dos directos mas, uma profissional com tantos anos de experiencia deveria saber defender-se dessas situações... mas tambem ninguem é perfeito e falhas acontecem...
Quanto ao senhor, mas que grande senhor! É isso mesmo, por na linha tudo e todos!
Não interessa se concordamos ou não com o que é dito, tem que haver respeito, ele estava a dar a sua opinião
e tinham mais é que o respeitar por todas as razões!
Haja mais gente assim de coragem! Admiravel! Esta construção já não é para seu usufruto do ponto de vista profissional e ele deu a cara pelo que acredita!

pinguim disse...

Comentário muito oportuno, mas confesso este assunto já me enfastia...

Miss Alcor disse...

Eu continuo a apostar em Vila Nova da Rabona!
Viva os gato fedorento!

Carlos Medina Ribeiro disse...

Há quem diga (e com alguma razão) que este assunto já enfastia.

O pior é que só agora começou a "enfastiar", pois como a Ota não pode ser ampliada, daqui a 20 ou 30 anos a discussão recomeça do ZERO...

Entretanto, e para "desenfastiar", vamos TODOS pagar 3,5 mil milhões de euros (a preços actuais e sem contar com as derrapagens).

E quando digo "vamos pagar TODOS", refiro-me a TODOS - os enfastiados e os não enfastiados...

RIC disse...

Obrigado, Carlos, por esta pérola! É sempre muito bom ler um texto lapidar escrito por alguém com as ideias no lugar!
É impressionante a forma atamancada, atravancada, enrodilhada, como assuntos sérios são tratados por «nós», sem que ninguém se preocupe com o péssimo aspecto que coisas deste género têm aos olhos de quem vai tendo de mandar dinheiro para aqui...
Depois, queixam-se... De quê?! Da sua própria incompetência e ineficácia?! Ora!
Abraço! :-)

lino disse...

Pois eu não alinho nas palmas. O comandante, se já é reformado, deve ter pelo menos 30 anos de profissão (eu tenho 37 e trabuco todos os dias), tantos quantos aqueles em que se vem discutindo a OTA. Nunca tinha ouvido, até agora, um tal de comandante Lima Bastos pronunciar-se sobre a localização do aeroporto.
Declaração de interesses: Alcochete fica-me a menos de metade do caminho da Ota e não tenho terrenos nem num lado nem no outro.

Carlos Medina Ribeiro disse...

O problema não é "este" comandante, especificamente.

O problema é que, em geral, ESTES PROFISSIONAIS (os pilotos) têm sido marginalizados da discussão.

Não nos esqueçamos que o governo só disponibilizou os estudos da Ota depois de uma enorme campanha na blogosfera e, mesmo assim, sabe-se que tem omitido alguns que não lhe agradam.