sábado, julho 28, 2007

POSSO, QUERO E MANDO


(clicar sobre a imagem para ampliar)
Reccebi esta circular e apetece-me dar uma resposta.
São meus fornecedores e reparem como eles é que ditam as leis.
É o que dá os monopólios.
Pode ser que acabe, pelo menos da minha parte.

12 comentários:

António Sabão disse...

Manda-so dar uma volta ao bilhar grande!

Bernardo Moura disse...

Se fosse assim facil já teria feito.

RIC disse...

Só o nome da dita empresa dá náuseas!... Mas isso são outros 500!...
E que bem escrito que está... VÊ-SE que têm o cliente em grande estima...
Fui! Chega!
:-)

Bernardo Moura disse...

Caro Ric,
pois têm não têm?:(
Abraço

Miss Alcor disse...

Parece que vaia fazer reclamação a uma instituição pública...
Maldita burocracia!

Bernardo Moura disse...

Há muito tempo que ando a "cozinhar" uma forma de estes fulanos deixarem de ter o monopólio. Que não é permitido em Portugal.

Bernardo Moura disse...

Nem em nenhum país democratico.

gasolina disse...

Será que respondem ao reclamante em 24H?
E o transportador tem seguro que garanta um entrega defeituosa?

Apetece mesmo formulra mais uma série de questões, mas será que merecem?

E monopólio?
Não entendo...
Mas percebo que enquanto tiverem este tipo de relacionamento com o cliente a vontade que dá é mandá-los àquela parte.

Bernardo, e na concorrência?
Não dá para mudar?

Bernardo Moura disse...

O problema reside ai.
Esta empresa distribui uns jornais e a Vasp outros.
Exemplo: Logista-"Público" Vasp-"Jornal de Noticias".
As duas monopolizam pois não tem concorrentes sobre eles e não se pode mudar de fornecedor. Logo usam e abusam.

pinguim disse...

Tudo isto existe....tudo isto é triste...até quando????

Bernardo Moura disse...

Não sei, mas espero que não dure muito.

r.porter disse...

Olá Bernardo,
Neste momento estou a trabalhar só com a Logista (até ver), a Vasp já foi apanhar morangos.
A Vasp tem uma estranha forma de actualizar quotas, senão vê:
quando vendo Visão com fartura e peço para aumentar de 25 para 75, na semana seguinte recebo 20.
Se peço para esquecerem que eu existo para títulos como Pegue & Faça Bordados, Crochê de Filé, Malhinha, Baby Labores (porque o meu público é essencialmente público de espectáculos e exposições e nunca ninguém me pediu uma revista de crochê)em vez das habituais 5 tenho de arranjar espaço no armário para 10, a marinar até à devolução enquanto o valor das ditas é incluido na factura da semana seguinte e feito o crédito na factura seguinte à devolução, este esquema é máximo para quem confere facturas, guias de remessa e notas de devolução.
A crescente praga de serviços, talheres, chinelos, malinhas, geladeiras, e pessoas a perguntar se ainda tenho a revista que dá um bikini, o nome da publicação não sabem, mas sabem que o mês passado dava um saco a condizer com o bikini deste mês.
O Expresso, ou Espesso ou rissól como lhe prefiro chamar, pois era a fazer rissóis que eu me sentia a encartar os 12 ou mais encartes do fantástico jornal.
Quando falei sobre o assunto numa das visitas do delegado comercial ele disse-me que já tinha sido adquirida uma máquina de encartes, mas que primeiro tinham de alterar o formato de jornal e estavam a formar pessoas para trabalhar com ela. Chegou o formato novo mas notícias da máquina de encartes, nenhuma.
Andei um ano a telefonar quase todos os dias para o serviço de apoio a clientes da Vasp para reaver perto de mil euros que tinham sido facturados indevidamente, conheci muita gente nessa altura e ouvi muita música, algumas vezes pensei que me estavam a dar baile, mas era impressão minha.
Quando cessei o contrato com os senhores recebi no prazo de uma semana três cartas e uns tantos telefonemas a avisar que o prazo de pagamento é de uma semana e que se não cumprisse seguiria para contencioso, é preciso ter lata.
Cansei-me de trabalhar para estes senhores, fazem o que querem, não há paciência.
A Logista(que mais valia continuar a chamar-se Midesa) vai pelo mesmo caminho.
Estes senhores estão mesmo a precisar de concorrência.
Abraço