domingo, março 01, 2009

ESCREVER


Penso constantemente, porque é que não escrevo nada que realmente me agrada?

Se eu identifico os textos bons dos maus, se eu e todos o conseguem, porque é que não hão-de começar pelos maus? Cheios de lugares comuns, pirosises, banalidades e porcarias em geral?

Afinal, quando aprendemos a escrever não tivemos todos de aprefeiçoar a letra? Quando começamos a andar, não tivemos que melhorar o equilíbrio? No fundo é uma questão de equilíbrio. Encontrá-lo. Quando nos sentimos equilibrados, estamos seguros. Na escrita é o mesmo.

Equilibrar a escrita.

Até lá, vamo-nos esforçando por não nos estatelarmos no chão. É certo que vamos cair, tropeçar e o malhanço é inevitável. Paciência. Havemos de lá chegar. Chegaremos ao ponto que nos sentimos confortáveis para continuar.

Nessa altura, há-de vir sempre alguém dar-nos encontrões. É a triste realidade. Ou porque a inveja se manifesta ou por puro gozo. Sim, puro gozo. Há-os que só conseguem ter prazer e sentir-se satisfeitos quando vêem os outros mal. Deve amenizar a estupidez que lhes foi cinada. Paciência. Nada a fazer. Apenas não dar crédito, é o melhor a fazer.

Contudo, temos de ser realistas e ouvir. Ouvir os que sabem e têm a frontalidade de nos dizer: “ Não és talhado para isto. “. Temos mais é que aceitar e trabalhar em algo novo. Descobrir algo que nos dê o mesmo ou mais prazer.

Para quem escreve, pinta, dança, compõe e etc.. é muito importante que esteja rodeado de pessoas honestas e com sapiência, que saibam dizer, sem rodeios: “ O que fizeste é uma treta. “.

Acredito e sei que é difícil ouvir tais comentários. Mas só nos fazem bem. Quem os diz é sincero e amigo. Faz com que acordemos de uma ilusão e passemos à realidade.

Como eu gostava de saber escrever.


9 comentários:

tronxa disse...

ja somos dois, bernardo!!

mas alem de gostar de saber escrever, tb gostava de saber pintar... acho k ate me dava mais prazer a pintura...

enfim...

bjnhsss

Luis Bento disse...

Bem...depois de ler o teu texto...fiquei com uma certeza e uma dúvida...Tenho a certeza que todos nós duvidamos, um dia, de que saibamos fazer qualquer coisa...Agora do que eu não tenho dúvidas é que tu escreves bem... Com toda a certeza!

Bernardo Moura disse...

Amiga Tronxa,
eu gostava de saber fazer tanta, mas tanta coisa. Tentemos fazer alguma!

:)

Bj

Bernardo Moura disse...

Amigo Luís Bento,
eheheh..
Achas mesmo?
Eu não.
Obrigado!

Ab

Alexandre disse...

Eu considero este blog um dos melhores que existe em Portugal.
Tens um jeito para escrever inacreditável.
Não deves saber da minha idade, sou totalmente puto, tenho doze anos e neste blog e no blog da Andreia já aprendi muitas coisas da vida que não passam de ficção, mas sim de pura realidade.
Uma coisa que não percebi é se essas tais pessoas insultam ou criticam.
Criticar é muito diferente de insultar.
Por vezes ´pode´ ser bom ouvir umas criticas, porque por vezes até podemos aprender com elas.
Mas com insultos é bastante diferente e responder na mesma moeda não irá resolver os problemas.
Eu opto sempre pelo desprezo e ignorar porque é o que merecem.
Não pares de escrever.
Não é por acaso que muita gente lê os teus post's e continua a ler e a gostar.
Parabéns pelo trabalho ;)

Abc

Bernardo Moura disse...

Amigo Alexandre,
muito obrigado pelas tuas simpáticas palavras.

Grande abraço

minda disse...

Eu acho que todos nós somos bons em alguma coisa.O problema é que muita gente tenta ser boa em várias coisas ao mesmo tempo e isso torna-se difícil.O melhor mesmo é explorarmos aquilo que realmente sabemos fazer,mas nunca deixarmos de tentar fazer as coisas que fazemos menos bem!
Tu escreves bem.Bjo

Bernardo Moura disse...

Olá Minda!

Obrigado!

:)

Bjs

Horushu disse...

O meu melhor amigo, aí há uns 20 anos disse-me, ao ler um dos meus textos: "Jorge, gostaria de ser dono de uma editora, só para recusar publicar-te!" hehehe:)
Um abraço