domingo, fevereiro 25, 2007

POEMA DA SEMANA


Morrer sim (Mas devagar?)
O morto quando se esforça é uma arte em si.
Não queria exércitos e relâmpagos e lâminas
para expulsar a morte? Ao menos bombardear
a coutada das viúvas? As suas piscinas poderosas?
Mas a morte é a única coisa que se herda.
Por trás de cada um entre as pausas do choro
desabrocham os primeiros breves sorrisos. Não
há morto que escape a rirmo-nos dentro dele.
Morrer é uma forma de se ser outra vez notícia.
Por trás de cada morto erguem-se de súbito
décadas de rostos esquecidos. Cada morte pode
alterar os ares e os rios. Sobretudo a palavra
com que é dita. De que valeria ser poeta num
tempo destes? Cantar uma mulher deitada
a abrir-se? O morto existe. Comecei a dar-lhes nomes:
árvore de cinzas ou flor evaporada tanto faz.
O olfacto e o ouvido detinham-se inquietos
mobilizados noutras fronteiras e a minha
mente traduzia: é aroma da terra
o sabor da maçã o estrépito dos autocarros.
de Alexandre Pinheiro Torres (poema retirado do livro "A Flor Evaporada")

2 comentários:

GMaciel disse...

Uma grande ideia para a divulgação dos nossos escritores. Aguardo mais.
abraço

Bernardo Moura disse...

E colocarei como disse todos os Domingos!
Abraço!