segunda-feira, junho 11, 2007

(Des) Evolução

Ao contrario do presidente Bush, eu sou daqueles hereges que acredita na evolução das especies. Vai dai resolvi investigar alguns dos nossos antepassados e descobri uns muito interessantes que vão pelo nome de muriquis.

As descobertas sobre a linguagem dos muriquis são impressionantes. Quando se locomovem pela mata, escondendo-se entre as folhagens das árvores à medida que se afastam uns dos outros, estes macacos comunicam de um modo que ainda não foi encontrado em nenhuma outra espécie de primata. Recombinam 14 elementos sonoros, que se aproximam de vogais ou consoantes da linguagem humana, e produzem uma rica variedade de chamamentos - mais longos ou mais curtos, mais agudos ou graves -, num processo semelhante ao que usamos para formar as palavras. Tamanha é a reorganização dos sons que se tem a impressão de que os muriquis até procuram ser inventivos: quando engatam uma espécie de conversa coletiva, um raramente repete o que outro já disse.

Os muriquis, os maiores macacos das Américas, conseguiram criar uma hierarquia regida pelo afecto. Não há brigas nem disputas...No centro do grupo não estão os mais fortes, mas os mais queridos, que se destacam por receberem mais abraços dos companheiros.
No que toca a reprodução qualquer fêmea do grupo, cruzam com todos os machos adultos com quem vivem-normalmente, um terço dos membros do grupo, que têm de 15 a 50 indivíduos.

Diferentemente do que ocorre em outras espécies de primatas, os machos parecem não disputar as fêmeas, que, quando entram no cio, dão atenção a todos. Pode haver, porém, uma competição de esperma: quanto maior a quantidade de esperma produzido, maior a probabilidade de fecundar a fêmea. A hipótese ganha força diante do avantajado porte dos testículos dos muriquis, com cerca de 20 centímetros de comprimento, e da ejaculação abundante a ponto de escorrer das árvores, a 15 metros de altura, e chegar ao chão depois da cópula. O fato de as fêmeas cruzarem com tantos parceiros faz com nenhum muriqui macho saiba quem são de fato seus filhos. Os filhotes, por sua vez, também não sabem quem é o pai deles. Parecem não se importar.

Resta dizer que algumas coisas boas se perderam nos passos evolutivos...

6 comentários:

Bernardo Moura disse...

Hei Barrigas!
Nice post!
Where did you fond inspiration to right this lines?
Wheel I beleive that you had to make some sort of investigation, did you spend time with them?
Did you see them dating? Flarting?
Did you find your soul mate?
Kind Regards,

MemyselfandI

P.S.: sorry about my english.
If you don´t like it, that´s a problem you´ve got to fixxxxxxx...

lino disse...

Qual é a morada, para despachar uns amendoins?

pinguim disse...

Abençoados macacos. Nunca mais chamo "macaco" ao Bush, seia descortez para com eles.

Bernardo Moura disse...

Caro pinguim,
é verdade. É melhor arranjar outro nome muito feio para essa animal, passa a ser "o animal"!
Abraço

Barrigas disse...

Acho que o melhor nome para essa "coisa" poderia ser "dodó" que era uma ave não voadora com cerca de um metro de altura que vivia na ilha Maurícia. O nome de dodó terá, provavelmente, origem no aspecto desajeitado destas aves a que os portugueses terão baptizado de "doudos", ou seja "doidos". E espero que pessoas como Bush tenham o mesmo fim da malfadada ave.

Bernardo Moura disse...

Boa!
Abraço