segunda-feira, junho 25, 2007

POEMA


Um meteorito rasgou o céu.
A sua luz encantou-me,
Quis mais.
Mais vieram.
Sentei-me.
Tinha começado um concerto,
Brilhante e cintilante.
Não me importei com o que perdia.
Este concerto
É que era o concerto
Do dia.
Fiquei horas a admirar
Este concerto silencioso.
Estranhas sensações tinha.
Não queria sair dali,
Não queria.
Queria ver tudo,
Rodava e rodava.
Estavam a cair em todo o lado
E eu queria vê-los a todos.
Impossível, para gáudio meu.
Do que vi não me bastou.
Fiquei triste quando o concerto acabou.
Sabia que voltaria ou já voltou,
Mas ninguém me avisou.
A um grande e silencioso concerto
Assisti

5 comentários:

António Sabão disse...

Ah, grande poeta!
abraço

Bernardo Moura disse...

Vai-se tentando!
Abraço

Miss Alcor disse...

Temos poeta! ;)

Anónimo disse...

Não te sabia poeta meu.
touaqui42

Bernardo Moura disse...

Já postei tantos poemas!
Apesar de serem uma merda, lá vou postando!:)