segunda-feira, maio 14, 2007

Sócrates e os Lusiadas


















As equivalências e os termos assinados,
Que na ocidental raia Lusitana,
Por cursos nunca antes frequentados,
Passaram ainda além das seis dias da semana,
Em betão armado e pré-esforçado,
Mais do que prometia a desfaçatez humana,
E entre gente bem mais douta edificaram

Novo currículo,
que tanto sublimaram;
E também as notícias gloriosas
Daqueles feitos, que foram omitindo
A Lisura, a

Hombridade, as
Virtudes valerosas
Das corporações que foram destroçando;
E aquele, que por obras viciosas
Se vai da lei da respeitabilidade libertando;
Sobranceiro, entre pares, no plenário,
Cantarei, se a tanto me ajudar o engenho sanitário.

4 comentários:

Miss Alcor disse...

Ihihihihihi!
Simplesmente bestial!

GMaciel disse...

LOL
LOL
LOL
tenho dito!
:)

Anónimo disse...

Desculpa lá , mas o CAMÕES via mais de um OLHO do que SOCRATES vê com DOIS.
touaqui42

Bernardo Moura disse...

Caro touaqui42,
Sem sombra de duvida!