segunda-feira, julho 06, 2009

RIR A BOM RIR!

Segunda-feira de manhã, eram 06:15 a.m..
O dia, chuvoso, não ajudava. A Má disposição estava bem vincada.
Os passageiros do metro pensavam nas palavras de Sócrates ditas no dia anterior," Será que ele vai mesmo ter a maioria absoluta, novamente? ", e continuavam a reflectir no futuro do país.
A determinada altura, um homem entra e começa a rir, a rir, rir e a rir. Todos se aperceberam que era sobre o assunto que estava na ordem do dia, as palavras de Sócrates no dia anterior. A forma de reflectir foi subitamente alterada, por todos. Começaram todos a rir. Riam como nunca. Todas aquelas mentes iluminaram-se. Afinal só a terá, a maioria absoluta, se nós quisermos. E riram, riram. O pensamento de todos os passageiros estava em sintonia, " Vais ter, vais! Fia-te muito seu taralhoco! ", e riam.
A determinada altura o " iluminado " saiu do metro e entrou no que ia em sentido contrário. Não se conteve, novamente e a situação repetiu-se.


8 comentários:

tronxa disse...

era preciso ter galo, esse sacana ganhar outra vez a maioria...!!!

bjnhsssssssssss de boa semana

luatriste disse...

Só mesmo o Sócrates para fazer rir os portugueses!

Luana disse...

gostava de ter ido naquele metro,porque precisava de dar umas boas risadas :):):) Beijinhos

Anónimo disse...

Pois é ma só uma 'merdice' me atormenta : eu não gosto do sócrates tem sido arrogante e feito montes de merda mas se não for ele vocês estão a ver a manuela Ferreira Leite a governar este país? ...

Bernardo Moura disse...

Amiga Tronxa,
esperemos que não.

bj

Bernardo Moura disse...

Amiga Luatriste,
lá cómico ele é. Bom Primeiro-Ministro é que não, mesmo!

bj

Bernardo Moura disse...

Querida Luana,
não precisas de ir naquele metro para rir. Faz o mesmo que o senhor do vídeo fez, num lugar onde esteja muita gente e vais ver que começa toda a gente a rir! :)

BJS

Bernardo Moura disse...

Caro/a anónimo,
não estou a ver ninguém neste momento com garra para liderar um governo. É muitíssimo complicado. Mas espero, pelo menos, que não hajam mais maiorias absolutas que são sinónimo de ditadura.

Cumprimentos