sábado, abril 19, 2008

A NORMALIDADE DA VIDA

Amar demais!
Será que quando amamos demais podemos, sem querer sufocar a pessoa?
Tornarmo-nos super protectores a tal ponto que sem querermos sufocamos essa pessoa?
Eu penso que sim.
Se analisarmos pelo lado da pessoa que é amada demais, será que essa pessoa não amará demais quem a ama demais e com isso permite que a sufoquem, para não magoar?
Eu penso que sim.
Em todas as relações de amor, seja de pais para filhos, de irmãos para irmãos, de amigo para amigo e de amante para amante, existe a determinada altura que poderá ser mais prolongada ou não, uma fase de ultra-protecção. Um dos indivíduos, ou mesmo os dois começam a sufocar o outro por quererem tanto o bem dela.
Parece um pouco estúpido, mas é verdade.
Infelizmente, ninguém pode ser o escudo de ninguém.
As pessoas podem-se aconselhar, partilhar experiências positivas e negativas no sentido de ajudar o próximo a viver melhor. Mas nunca tal pode ser feito com extremo. O extremo em tudo na vida nunca resulta.
Vejamos como exemplo os extremos religiosos, que provocam grandes catástrofes humanitárias, desentendimentos milenares entre os povos.
Com o amor acontece algo parecido. Se o amor for levado ao extremo por alguém, esse alguém corre sérios riscos de perder o amor recíproco, porque está a abafar quem ela ama demais.

Muitos destes individuos, que amam demais, argumentam que lhes está na natureza e que nada podem fazer. Não será bem assim.
Chegam a um ponto tal que, sem darem por ela, necessitam de controlar a vida do outro, em tudo. Todos os passos que o outro der têm de ter a sua aprovação. Isso é não deixar o outro ter autonomia, é inclausorá-lo.
Pode chegar a um extremo que a pessoa que é amada demais, foge! Não quer esse controle.
É muito difícil, para quem ama demais, mudar de comportamento. É algo que a pessoa comete por instinto, como já referido atrás, pode evoluir para maus relacionamentos e deixar duas pessoas que se amam afastadas.





QUEEN - " TOO MUCH LOVE WILL KILL YOU" (legendado)

14 comentários:

Eu conheço o Lopes da Silva disse...

Concordo sim senhores.
Tamos filosóficos, hoje?


:)

vsuzano disse...

hooooooo hoooooo ....... que merda .... acho que morri.....

rsrsrsrs

Abraço

Helena disse...

Pode ser que seja amar demais, mas parece-me falta de confiança e insegurança...
:)

Bernardo Moura disse...

Eu conheço o lopes da silva,
filosofo, eu?
TOL

:)

P.S.:eu sei que conheces o "lopes da silva"! LOL ou TOL? Desta é LOL

:))

Bernardo Moura disse...

Vsuzano,
achas que morreste?
O meu texto é assim tão merdoso?

:)

Ab

Bernardo Moura disse...

Querida Helena,
não se trata de falta de confiança e insegurança. Trata-se de .. de .. "amar demais!". Não estou a conseguir colocar em palavras.
Bjs

Olá!! disse...

Quem disse que amar e ser amado é fácil????
Como se mede o amor????
Por isso somos individuos...
O amor pode abafar sim, Bernardo, quando quem morre da asfixia não corresponde ao que lhe é oferecido...
Beijossssssssssssssss

Bernardo Moura disse...

Querida Olá!!,
dizes que: -"..quando quem morre da asfixia não corresponde ao que lhe é oferecido...". E se a pessoa não quer o que lhe é oferecido por ser em demasia?
Bj

Olá!! disse...

Desde quando alguem recusa amor extra????

Bernardo Moura disse...

Ninguém recusa amor extra! LOL
Nem é sobre isso que falo.
O que eu falo no texto é do extremo a que uma pessoa que ama outra pode chegar, ao querer tanto proteger, controlar e etc.. que pode acabar por fazer com que a outra pessoa se sinta sufocada.
Numa relação de amor deve existir o eu,tu e nós. Se só existir o nós, acaba por não resultar.
Bjs

vsuzano disse...

não estava a falar do texto.... estava a falar de mim.... rsrsrsrs ou mato abafando ou morro abafado...

abraço

Bernardo Moura disse...

Vsuzano,
não me parece! Não me parece mesmo nada!
Tens uma relação muito salutar!
:)
Ab

Olá!! disse...

Bernardo, o amor e as doses de amor não são quantificáveis...
Claro que há situações que abafam, mas será que a isso se pode chamar amor???
O amor precisa de espaço para respirar, mas por vezes é complicado... e depois, Bernardo, cada um é como cada qual, há quem seja dependente e quem seja autosuficiente...
Este é um tema que dá pano para mangas e vamos falando e surgem sempre novas questões
Beijossssssssssss

Bernardo Moura disse...

Querida Olá!!,
é isso mesmo. É um tema que dá mesmo "pano para mangas".
VIVA O AMOR!
:)
BJS