sexta-feira, novembro 17, 2006

Sociedade...






Os Portugueses

Os Portugueses andam antipáticos.
É rara a vez que converso com desconhecidos e depois possa dizer: “Aquele/a sujeito/a foi simpático/a!”.
As pessoas andam pelas ruas com ar de quem está pronto a “morder”!
Todos os dias no meu trabalho falo com pessoas que estão literalmente ao ataque, sempre à espreita de poder espezinhar o próximo, para ficarem por cima não sei do quê?
São tantas mas tantas as pessoas que neste momento se consideram “reis da razão” que é impressionante. Os “reis da razão” designam-se por serem pessoas que falam muito e por norma não estão a dizer nada. Em qualquer assunto acham que são craques, têm de dar a última palavra nas conversas para se sentirem “gloriosos”, mesmo que seja o maior disparate à face da terra, por exemplo:
Rei da razão: “…foi ele que ganhou em 1978 a…”
Pessoa comum: “…não foi, foi fulano de tal…”
Rei da razão: “…não, posso provar que foi ele…”
Pessoa comum: “…tudo bem, então foi ele…”
Rei da razão: “…NÃO FOI NADA ELE, FOI FULANO DE TAL…”
E com este tipo de pessoas vamos tendo que aguentar e lidar. Normalmente estes “Reis da razão” também são pessoas muito conflituosas, nomeadamente nas estradas. São pessoas que têm que se pegar com alguém na estrada para chegarem ao café e contarem aos seus amigos, também estes “Reis da razão”, nem que se tenham que pegar com a própria mãe eles têm é de ter algo para contar no café.
Este flagelo tem de ser travado.
Como?
Não sei!
Alguém têm sugestões?

“Inteligência espiritual é ter consciência de que a vida é uma grande pergunta em busca de uma grande resposta. É procurar o sentido da vida, mesmo sendo um ateu. É procurar Deus, independentemente de uma religião, mesmo sentindo-se confuso no novelo da existência. É agradecer a Deus pelo dia, pela noite, pelo sol, por sermos um ser único no Universo.
É procurar as respostas que a ciência nunca nos deu. É ter esperança na desolação, amparo na tribulação, coragem nas dificuldades. É ser um poeta da vida. Você é um poeta?”

(excerto do livro “Dez leis para ser feliz” de Augusto Cury)

Sosseguem!

2 comentários:

js disse...

...isso acontece um pouco com todos nós, inconscientemente cada um acha que é o detentor da verdade ...da razão, mesmo que não tenha razão nenhuma...
... uma espécie de burros a achar que são barras...
FORÇ'AÍ!
js de http://politicatsf.blogs.sapo.pt

Bernardo Moura disse...

É verdade! Mas podemos tentar ser mais tolerantes aprender a ouvir e falar quando se sabe que realmente se tem razão.